Muitas vezes, pagamos impostos que nem sabemos para que servem, não é mesmo? E especialmente no início de cada ano, alguns dos principais começam a bater à porta da maioria das pessoas. Um deles é o Imposto Predial e Territorial Urbano. Neste artigo, vamos explicar o que é IPTU e destrinchar todas as informações sobre o imposto.

Navegue pelo conteúdo:

O que é IPTU?

A primeira informação essencial sobre o IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) é que trata-se de um imposto de ordem municipal, cobrado de quem possui qualquer tipo de imóvel – ou seja, uma propriedade construída – dentro de uma área urbana, seja ele comercial ou residencial.

Diferença para o Imposto Territorial Urbano

A diferença essencial entre o IPTU e o Imposto Territorial Urbano (ITU) está justamente no “P” que falta na sigla deste segundo. O primeiro, por ser “predial”, trata de propriedades construídas. Já o segundo vale para terrenos vazios, sem nenhum tipo de edificação. Mas ambos se equivalem pelo fato de serem cobrados em zonas urbanas.

Alugar, comprar ou vender? Vem comparar no QuintoAndar
Alugar, comprar ou vender? Vem comparar no QuintoAndar Descubra agora

Artigo 32 do Código Tributário Nacional (CTN): definição de Zona Urbana

O Código Tributário Nacional (CTN) é a lei brasileira (Lei nº 5.172/66) que  institui normas gerais de direito tributário aplicáveis à União, Estados e Municípios. 

As normas do IPTU aparecem no CTN nos artigos 32, 33 e 34. Sendo que o primeiro, em especial, trata da definição de Zona Urbana de um Município

Veja o que determina o CTN sobre o IPTU:

SEÇÃO II

Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana

Art. 32. O imposto, de competência dos Municípios, sobre a propriedade predial e territorial urbana tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou a posse de bem imóvel por natureza ou por acessão física, como definido na lei civil, localizado na zona urbana do Município.

§ 1º Para os efeitos deste imposto, entende-se como zona urbana a definida em lei municipal; observado o requisito mínimo da existência de melhoramentos indicados em pelo menos 2 (dois) dos incisos seguintes, construídos ou mantidos pelo Poder Público:

I – meio-fio ou calçamento, com canalização de águas pluviais;

II – abastecimento de água;

III – sistema de esgotos sanitários;

IV – rede de iluminação pública, com ou sem posteamento para distribuição domiciliar;

V – escola primária ou posto de saúde a uma distância máxima de 3 (três) quilômetros do imóvel considerado.

§ 2º A lei municipal pode considerar urbanas as áreas urbanizáveis, ou de expansão urbana, constantes de loteamentos aprovados pelos órgãos competentes, destinados à habitação, à indústria ou ao comércio, mesmo que localizados fora das zonas definidas nos termos do parágrafo anterior.

Quem paga e como é cobrado o IPTU?

De acordo com a Lei do Inquilinato (Lei nº 8.245/1991), o dono de um imóvel pode, se definido em contrato, repassar a seu inquilino as despesas referentes ao valor do IPTU. E esse é o tipo de acordo mais comum na relação entre locador e locatário

Dessa forma, além do aluguel, condomínio e taxa de incêndio, o locador paga mensalmente as parcelas do tributo municipal.

Porém, o IPTU é um imposto referente à propriedade. E de acordo com o Código Tributário Nacional, a responsabilidade pelo ato do pagamento é do proprietário e não do inquilino, como destacamos abaixo:

Art. 34. Contribuinte do imposto é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil, ou o seu possuidor a qualquer título.

Leia também: Recebi o boleto do IPTU. O que fazer e de quem é a responsabilidade?

Quem é isento de pagar o IPTU?

Muitas prefeituras oferecem isenção para aposentados e pensionistas e também de acordo com um teto do valor da propriedade. Ou seja, se o imóvel estiver abaixo desse teto, fica isento do imposto. 

Mas, novamente, a isenção para pagamento do IPTU, ou mesmo a aplicação de descontos maiores, é outra coisa que varia de acordo com as normas de cada Município.

Como é calculado o IPTU?

Quem não sabe muitos detalhes sobre o que é IPTU certamente tem dúvidas sobre como o imposto é calculado ou também como é reajustado. 

Tudo isso é feito pelo Poder Público, ou seja, no caso do IPTU, pela prefeitura de cada Município. 

Mas a gente explica melhor abaixo como isso funciona!

Valor venal é a base de cálculo

O Código Tributário Nacional determina o seguinte:

Art. 33. A base do cálculo do imposto é o valor venal do imóvel.

Parágrafo único. Na determinação da base de cálculo, não se considera o valor dos bens móveis mantidos, em caráter permanente ou temporário, no imóvel, para efeito de sua utilização, exploração, aformoseamento ou comodidade.

Portanto, o valor do IPTU é determinado de acordo com o valor venal do imóvel, que serve como base de cálculo para o imposto. 

Para chegar ao preço que será cobrado do proprietário do imóvel, cada Município tem a sua própria forma de calcular, com aplicação de alíquotas, acréscimos e descontos que são determinados pela administração municipal. 

+ Leia também:
Valor venal do imóvel: saiba o que é e como é feito o cálculo

Reajuste do IPTU

Feito anualmente, o reajuste do IPTU leva em consideração fatores como:

  • Valorização do imóvel;
  • Valorização da região;
  • Mudanças na legislação do Município.

E mesmo aqui, a forma como esse reajuste é aplicado também depende e varia de Município para Município. 

Pagamento à vista ou parcelado

A realização do pagamento à vista do IPTU acontece sempre no início de cada ano, quando as prefeituras lançam os valores reajustados. Mas sempre existe a opção do pagamento em parcelas mensais ao longo do ano.

A maioria das cidades oferecem descontos para quem paga em parcela única. O que torna essa forma de quitação do imposto a mais vantajosa.

Como consultar o IPTU?

A maioria das prefeituras oferecem em seus sites áreas especiais, geralmente bem fáceis de serem encontradas na página inicial, com todas as informações sobre o que é IPTU e como fazer não apenas a consulta, mas também emitir a guia de pagamento e pedir segunda via.

Não paguei o IPTU. O que pode acontecer?

São vários os estágios que o contribuinte atravessa ao não realizar o pagamento do IPTU, que vão desde multa por atraso até, em casos mais extremos, à penhora ou ao leilão do imóvel.

Em dívidas recentes, a administração municipal costuma notificar o contribuinte para que regularize a situação. Se ainda assim o pagamento não for realizado, cabe aplicação de multa e a inclusão da pessoa – física ou jurídica – na Dívida Ativa do Município. Isso significa que o CPF ou o CNPJ entra nas listas de inadimplentes do Serasa, SPC e outros bureaus de crédito. O que impossibilita, por exemplo, a realização de empréstimos. 

Em casos de inadimplência mais longos, o Município pode solicitar na Justiça a penhora ou mesmo o leilão da propriedade para cobrir as dívidas com o IPTU. 

Praticidade na hora de pagar o IPTU

Para facilitar a vida tanto de proprietários quanto de inquilinos, o contrato de aluguel do QuintoAndar estabelece que o locador pague, no mesmo boleto do aluguel, os valores referentes à parcela do IPTU e à taxa de incêndio. 

Dessa forma, o proprietário pode tanto pagar o IPTU à vista no início do ano quanto parcelado. E todos os dias 12 de cada mês, religiosamente, o QuintoAndar repassa o valor do aluguel e do IPTU, mesmo que o locatário atrase o pagamento. 

O QuintoAndar também oferece uma garantia locatícia para imóveis que são administrados pelo proprietário, evitando, ainda assim, a inadimplência: a Fiança Simples. É uma solução que garante que o proprietário receba os valores de aluguéis, IPTU, condomínio, contas de consumo e multa rescisória mesmo em casos de inadimplência do inquilino. O valor da Fiança Simples pode variar de acordo com o perfil de crédito do locatário e das características do imóvel. Saiba mais sobre esse tipo de garantia locatícia disponível para imóveis administrados pelo proprietário aqui.

Pronto, agora você já sabe tudo sobre o que é IPTU e que pode contar com a gente para lidar com esse imposto da forma menos burocrática possível!