Quantas vezes, ao andar por um shopping, você já se pegou olhando numa vitrine algo que sempre quis ter e, numa decisão de momento, foi lá, pegou, pagou e levou pra casa? Pois saiba que comprar um imóvel é o extremo oposto disso. Está longe de ser uma compra de impulso e demanda muito planejamento. Por isso, reunimos aqui algumas dicas sobre como ter a organização financeira necessária pra realizar o sonho da casa própria.

1. Comprar ou alugar

Antes de qualquer coisa, é importante você saber que, em alguns casos, alugar um imóvel pode valer mais a pena financeiramente. Até mesmo, por exemplo, pra você passar algum tempo juntando dinheiro pra, daqui a alguns anos, enfim começar a pensar em comprar.

Dependendo de quanto você tem pra dar de entrada, pode fazer mais sentido alugar e ir juntando o dinheiro pra essa entrada, ou até mesmo pra comprar a vista.

Pra sanar essas questões, o QuintoAndar lançou a sua mais nova ferramenta, a “Calculadora Alugue x Compre“, que vai eliminar a dúvida de quem quer uma casa nova, mas não sabe se é melhor comprar ou alugar imóvel.

Mas lembre-se: sonhos não se discutem, se realizam. E se você quer ter uma casa própria, pela segurança, pela vontade de ter um patrimônio pra sua família e seus herdeiros, corra atrás disso!

2. Do planejamento à organização financeira

Tenha em mente que uma boa planilha de organização financeira será a sua melhor amiga nessa missão de se planejar pra comprar um imóvel. E nem precisa ser algo extremamente elaborado. Se você listar toda a sua renda e os gastos fixos – aluguel, conta de luz, telefone, internet, etc. – você já consegue ter um ponto de partida.

O segundo passo é, além dos gastos fixos, incluir na planilha todos os gastos adicionais, que não são previstos. Faça o exercício de anotar diariamente o que gastou e colocar na planilha. Ao longo de alguns poucos meses, você terá uma boa noção de onde está gastando seu dinheiro de forma desnecessária e poderá planejar cortes pra começar a poupar.

Alugar, comprar ou vender? Vem comparar no QuintoAndar
Alugar, comprar ou vender? Vem comparar no QuintoAndar Descubra agora

3. Pesquise o mercado e estipule quanto irá gastar

Faça uma pesquisa aprofundada sobre a região onde quer morar e o tipo de imóvel que pretende comprar. Assim, você terá uma noção dos valores e poderá estipular uma quantia e um prazo pra alcançar esse valor.

Lembre-se que o ideal é sempre conseguir pagar à vista. Mas no caso de um crédito imobiliário para financiamento, é importante que você tenha, pelo menos, 30% do valor do imóvel pra dar de entrada, que é a média exigida pelas instituições financeira pra liberar um financiamento. E quanto mais você puder investir nessa etapa, menores serão as prestações do empréstimo imobiliário.

Além disso, você deve levar em consideração os gastos extras que envolvem qualquer compra de imóvel, que geralmente ficam entre 4% e 8% do valor do bem. E também colocar nessa equação os gastos fixos que você passará a ter com o próprio imóvel, como condomínio e IPTU, que irão se juntar às parcelas do seu financiamento.

4. É hora de controlar os gastos

Está decidido? Compra um imóvel é o que você quer, mesmo? Então é hora de apertar o cinto e controlar os seus gastos. Por isso, reveja seus hábitos, seus gastos, seus planos e comece a poupar agora. 

E essa análise do seu momento de vida deve abranger desde as pequenas coisas do dia a dia, como a sua compra de supermercado, como a vontade de fazer uma viagem internacional, que talvez não se encaixe mais no seu orçamento.

Determine o que é essencial pra você viver e evite compras por impulso e supérfluos. Troque aquela noitada numa boate com entrada e bebidas caras por passeios matinais num parque, onde o máximo que você irá gastar é com o valor de uma água de coco. Reveja seus gastos com carro, planos de telefonia e TV por assinatura. E reduza o uso do cartão de crédito, que é a principal armadilha das finanças pessoais. Se possível, pague tudo o que precisa comprar à vista.

5. Não deixe seu dinheiro parado: invista

Ter uma boa organização financeira não é só começar a poupar. Lembre-se que a ideia aqui é você reunir um bom montante de dinheiro. Se não pra comprar um imóvel à vista, pelo menos pra poder dar de entrada. Por isso, o ideal é que você não deixe o dinheiro que está juntando simplesmente parado. É importante que você invista, mesmo que de forma conservadora.

O Tesouro Direto, por exemplo, oferece opções com liquidez diária, como o Tesouro Selic, que não tem perda dos rendimentos obtidos até a data do resgate. É uma opção boa, por exemplo, pra quem tem planos de curto prazo e não quer deixar o dinheiro parado. Ou Tesouro IPCA, que tem seu rendimento atrelado à taxa de inflação do país (IPCA) somado a um valor pré-fixado. E, por isso, tem a vantagem de render acima da inflação.

Comprar um imóvel é um sonho possível

Seja como for, comprar um imóvel é um sonho mais do que possível. E necessariamente passa por disciplina e organização financeira.